spot_imgspot_img

Santuário na Libéria resgata pangolins, mamíferos mais traficados do mundo


No Libassa Wildlife Sanctuary, na Libéria, África Ocidental, Juty Deh Jr está alimentando com mamadeira um bebê pangolim órfão. Acredita-se que essas criaturas pequenas e escamosas sejam o mamífero mais traficado do mundo.

Os pangolins são encontrados em toda a África e Ásia, mas todas as oito espécies estão em risco de extinção, mortas por sua carne e para uso na medicina tradicional.

Na Libéria, eles são comumente conhecidos como “ursos formigas” devido à sua dieta muito particular de formigas e cupins, e este santuário é um refúgio para eles.

“Desde que comecei a trabalhar com o Libassa Wildlife Sanctuary, sinto que os animais são parte de mim”, disse Deh Jr à CNN. “Então, sempre que vejo alguém machucando (um) animal, sinto que eles estão me machucando pessoalmente”.

Deh Jr se juntou ao santuário quando foi inaugurado há cinco anos e diz que na época cuidou de mais de 70 pangolins, a maioria dos quais foram trazidos para cá pela Autoridade de Desenvolvimento Florestal da Libéria depois de serem confiscados, entregues ou órfãos como resultado do comércio de carne de caça.

A Libéria é o país mais florestado da África Ocidental — com mais de dois terços de sua massa de terra composta por florestas.

Ricas em fauna e flora, essas florestas fazem parte do hotspot de biodiversidade “Florestas Guineenses da África Ocidental”, que, de acordo com um relatório da USAID de 2018, contém um quarto de todas as espécies de mamíferos encontradas no continente, incluindo 30 espécies de primatas e três das oito espécies de pangolins do mundo.

Muitas pessoas também vivem em áreas florestais. Na Libéria, há uma longa história de consumo de carne de caça, de primatas a civetas (um mamífero parecido com um gato), e o pangolim é considerado uma iguaria. Deh Jr cresceu comendo o animal — algo que ele se envergonha hoje.

“Como uma criança vivendo com seus pais, você não tem escolha, porque você não pode fornecer comida para si mesmo”, explica ele. “Então, mesmo que você não queira comer carne de caça, você só precisa fazê-lo.”

Um comércio internacional

Mas nos últimos anos, surgiu outra ameaça aos pangolins locais. Susan Wiper, diretora do Libassa Wildlife Sanctuary, diz que algumas pessoas estão matando o animal para suprir a demanda da China e do Vietnã, onde suas escamas são usadas na medicina tradicional.

Entre 2014 e 2018, o número de carregamentos de pangolins apreendidos globalmente aumentou dez vezes, de acordo com um relatório de 2020 do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime.

A maioria das apreensões ocorreu na Ásia, com os animais em grande parte originários da África. Uganda e Togo foram as maiores fontes de pangolins, com o relatório observando que houve recentemente grandes apreensões na Costa do Marfim, envolvendo a Libéria como país de origem.

Pangolins são traficados por suas escamas. / Shaun Swingler / Jo Munnik / CNN

Antes de 2009, a maioria das escamas de pangolim eram originárias da Ásia, e o relatório observou que o crescimento das importações africanas pode ser devido a um declínio nas populações asiáticas.

Enquanto o World Wide Fund for Nature (WWF) estima que globalmente mais de um milhão de pangolins foram caçados na última década, Wiper diz que estatísticas exatas são difíceis de encontrar. “Ninguém tem ideia dos números na Libéria, então cada pangolim que vai é realmente um desastre”, acrescenta ela

Sua armadura escamosa os protege de quase todos os predadores — exceto um. “Os pangolins não têm inimigos naturais, exceto os humanos”, diz Deh Jr. apenas pegá-lo e fazer o que quisermos com ele.”

O comércio desses animais foi banido internacionalmente e em 2016 o governo liberiano introduziu uma lei que torna ilegal caçar, comprar, vender, capturar, transportar ou comer espécies protegidas — o que inclui os pangolins. Mas fazer cumprir essa lei continua sendo um desafio.

Wiper explica que muitas pessoas simplesmente não sabem que ela existe e diz que a educação e a conscientização desempenham um papel crítico no futuro da conservação na Libéria.

No entanto, ela continua esperançosa de que as coisas estão mudando. Ela diz que a Autoridade de Desenvolvimento Florestal da Libéria está desempenhando um papel cada vez mais ativo no confisco de espécies protegidas que foram retiradas da natureza.

Pangolins comem apenas cupins e formigas. Na Libéria, são conhecido como “ursos formigas” / Jo Munnik / CNN

Nos últimos quatro anos, Wiper diz que o santuário acolheu quase 600 animais — de pangolins a crocodilos anões, macacos e outros. Ela diz que o principal objetivo é reabilitar e devolver o máximo possível de vida selvagem liberiana à floresta.

Para Deh Jr, há poucas recompensas maiores do que esta. “Colocando-o de volta na natureza, você realmente se sente orgulhoso”, diz ele. “Você sente que está avançando porque está realmente salvando animaizinhos.”



Source link

Get in Touch

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_imgspot_img

Related Articles

spot_img

Get in Touch

0FansLike
3,434FollowersFollow
0SubscribersSubscribe

Latest Posts