spot_imgspot_img

Fósseis de 37 mil anos revelam evidências dos primeiros humanos na América do Norte


A surpreendente descoberta de fósseis de mamutes no quintal de um paleontólogo levou a um achado ainda mais inesperad.

Os restos de um mamute fêmea e seu filhote, com cerca de 37 mil anos, mostram sinais claros de carnificina, fornecendo novas evidências de que os humanos podem ter chegado à América do Norte muito antes do que se pensava anteriormente.

O paleontólogo Timothy Rowe soube dos fósseis em 2013, quando um vizinho viu algo saindo de uma encosta em uma propriedade do Novo México que Rowe possuía.

Após uma inspeção mais detalhada, Rowe encontrou uma presa, um crânio de mamute afundado e outros ossos que pareciam estar deliberadamente quebrados. Achei que era o lugar onde dois mamutes haviam sido massacrados.

“O que temos é incrível”, disse Rowe em um comunicado. “Não é um local carismático com um belo esqueleto deitado de lado. Está todo destruído. Mas essa é a história.”

Rowe, professor da Jackson School of Geosciences da Universidade do Texas em Austin, é especialista em paleontologia de vertebrados e geralmente não estuda mamutes ou humanos primitivos. Mas ele não pôde deixar de trabalhar na investigação por causa da localização da descoberta.

Duas escavações de seis semanas foram realizadas no local em 2015 e 2016, mas a análise no laboratório levou muito mais tempo e está em andamento, disse Rowe. Rowe é o principal autor de um novo estudo que oferece uma análise do local e suas implicações, publicado na revista acadêmica Frontiers in Ecology and Evolution em julho.

“Ainda tenho que processar completamente a coincidência cósmica disso aparecer no meu quintal”, escreveu Rowe em um e-mail.

Marcas de carnificina podem ser vistas nas costelas do mamute. A costela superior mostra uma fratura de impacto de força bruta, a costela do meio mostra um ferimento por punção e a costela inferior mostra marcas de corte. / The University of Texas at Austin

Análise dos fósseis

Os muitos achados do local retratam o que aconteceu há milhares de anos, incluindo ferramentas de ossos, evidências de um incêndio, ossos quebrados e outros sinais de carnificina humana de animais.

Longos ossos de mamute em forma de facas descartáveis ​​foram usados ​​para quebrar carcaças de animais antes que o fogo ajudasse a derreter sua gordura.

De acordo com o estudo, fraturas criadas por força bruta são observadas nos ossos. Não havia ferramentas de pedra no local, mas os pesquisadores encontraram facas de escala feitas de osso com bordas desgastadas.

Uma análise química do sedimento ao redor dos ossos de mamute mostrou que o fogo foi sustentado e controlado e não causado por incêndios florestais ou raios.

Também havia evidências de ossos pulverizados e restos queimados de pequenos animais, incluindo pássaros, peixes, roedores e lagartos.

A equipe de pesquisa usou tomografias computadorizadas para analisar os ossos no local, encontrando perfurações que teriam servido para drenar a gordura das costelas e vértebras. Os humanos que massacraram os mamutes foram meticulosos, disse Rowe.

“Eu escavei dinossauros que foram comidos por carniceiros, mas o padrão de desarticulação e quebra dos ossos produzidos pela carnificina humana era diferente de tudo que eu já tinha visto”, disse Rowe.

O detalhe mais surpreendente do local é que ele está localizado no Novo México, e testes anteriores sugeriram que os humanos não estavam lá até dezenas de milhares de anos depois.

O local da escavação continha ossos fraturados de um crânio de mamute, coluna e costelas. / Timothy Rowe / Texas State University, Mike Collins

Traçando os primeiros passos humanos

O colágeno extraído de ossos de mamute ajudou os pesquisadores a determinar que os animais foram abatidos no local entre 36.250 e 38.900 anos atrás. Essa faixa etária torna o local do Novo México um dos mais antigos que os humanos antigos criaram na América do Norte, disseram os pesquisadores.

Os cientistas debatem há anos quando os primeiros humanos chegaram à América do Norte.

A cultura Clóvis de 16 mil anos é conhecida pelas ferramentas de pedra que deixou para trás. Mas um crescente corpo de evidências sugere que os locais mais antigos da América do Norte abrigavam uma população pré-Clóvis que tinha uma linhagem genética diferente.

Locais mais antigos têm um tipo diferente de evidência, como pegadas preservadas, ferramentas ósseas ou ossos de animais marcados por cortes de mais de 16 milanos atrás.

“Os humanos estão nas Américas há mais de duas vezes mais tempo do que os arqueólogos acreditam há muitos anos”, disse Rowe. “Esta descoberta indica que os humanos alcançaram uma distribuição global muito mais cedo do que se acreditava anteriormente.”

A posição do local, que fica no interior ocidental da América do Norte, sugere que os primeiros humanos chegaram bem antes de 37 mil anos atrás, de acordo com o estudo. Esses primeiros humanos provavelmente viajaram por terra ou ao longo de rotas costeiras.

Rowe disse que quer investigar o local para procurar sinais de DNA antigo.

“Tim fez um trabalho excelente e completo que representa pesquisa de ponta”, disse o professor aposentado da Texas State University, Mike Collins, em comunicado. “Ele está traçando um caminho que outros podem aprender e seguir.”

Collins não estava envolvido no estudo. Ele liderou pesquisas no Sítio Arqueológico de Gault, que contém artefatos de Clovis e pré-Clovis, perto de Austin, Texas.

“Acho que o significado mais profundo das primeiras conquistas humanas da distribuição global é uma nova questão importante a ser explorada”, disse Rowe.

“Nossas novas técnicas forneceram evidências sutis de uma presença humana no registro arqueológico, e suspeito que existam outros locais de idade comparável ou até mais antiga que não foram reconhecidos”.

 



Source link

Get in Touch

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_imgspot_img

Related Articles

spot_img

Get in Touch

0FansLike
3,434FollowersFollow
0SubscribersSubscribe

Latest Posts