Projeto Mulheres Guerreiras combate a violência doméstica e previne feminicídios em Samambaia

Projeto Mulheres Guerreiras combate a violência doméstica e previne feminicídios em Samambaia

A Polícia Civil do DF, por intermédio da 26ª DP (Samambaia Sul), em continuidade à primeira fase do Projeto Mulheres Guerreiras, de combate sistemático e efetivo à violência doméstica e à prevenção de crimes de feminicídios na região de Samambaia, realizou, nesta sexta-feira (12), a prisão de outros três homens, em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela Justiça do DF.
“Na primeira fase do projeto, realizada em janeiro de 2019, intensificamos a atuação do plantão da 26ª DP, resultando na prisão em flagrante de cinco indivíduos acusados de crimes praticados no âmbito da Lei Maria da Penha”, destaca o delegado-chefe adjunto da 26ª DP, Guilherme Sousa Melo.
Na data de hoje (12), em continuidade às ações, foram presos: G.S.S.; A.F.J.; e R.T.F. L., todos indiciados pela prática de crimes de violência doméstica e por descumprimento de medidas protetivas. Todos eles já possuem antecedentes criminais em razão de crimes mediante violência e grave ameaça. Dois dos autores foram presos no interior da casa das vítimas, em descumprimento de medidas protetivas já deferidas pela Justiça. Outros dois acusados ainda estão foragidos.
De acordo com o delegado, a maioria dos casos de violência e feminicídio acontece quase sempre no interior da própria residência das vítimas, o que motivou a equipe da delegacia a intensificar as ações de proteção à mulher, resultando em prisões em flagrantes e no cumprimento de prisões preventivas.
“Desde o início do ano até a presente data, já foram realizadas oito prisões, encerrando-se a primeira fase do projeto de prevenção ao feminicídio em Samambaia”, finaliza o delegado.
Os presos responderão pela prática dos crimes de lesão corporal, ameaça, injúria e descumprimento de medidas protetivas, com penas que poderão ultrapassar a cinco anos de reclusão.

Divisão de Comunicação/DGPC
#PCDFagora
#PCDFemAção
FONTE: PCDF, excelência na investigação