“Há preparação para destruir Israel”, ameaçam revolucionários do Irã

Mais Lidas

Como limpar janela de alumínio sem arranhar e danificar

As esquadrias de alumínio são muito utilizadas nas janelas e também em portas de lavanderias. Além delas, pode ser...

Pela primeira vez, todos os alunos a partir da pré-escola receberão uniforme gratuito – Estrutural On Line

Por determinação do governador Ibaneis Rocha, todos os estudantes da rede pública de ensino do Distrito...

Diretora do CEF 2 da cidade Estrutural agradece a comunidade

Agradecemos a comunidade escolar do CEF 2 ESTRUTURAL pela confiança e apoio para estarmos à frente da direção da...

ANÚNCIO

O Irã vem prometendo vingança pela morte do general Qassem Soleimani e fez uma ameaça de destruir Israel como parte da retaliação. Além, disso prometeu reagir aos Estados Unidos, responsáveis pelo bombardeio que matou o extremista em Bagdá, Iraque.

ANÚNCIO

Qassem Soleimani era um general da Guarda Revolucionária Islâmica, uma força paralela ao exército iraniano e comandante da Força Quds, uma divisão que atuava fora do Irã em operações militares clandestinas e acusada de manter relações com o grupo terrorista palestino Hamas.

O porta-voz da Guarda Revolucionária Islâmica afirmou que “há preparação para destruir Israel”, país vizinho considerado o principal aliado militar dos Estados Unidos na região. Em resposta, o país judeu colocou todo seu exército em prontidão para reagir a qualquer ação de agressão.

Soleimani morreu no ataque feito com drones dos Estados Unidos sob ordem do presidente Donald Trump. Com ele, o líder paramilitar iraquiano Abu Mehdi al-Muhandis também foi morto, próximo ao aeroporto de Bagdá.

ANÚNCIO

Em comunicado oficial, o Irã declarou que “o regime dos Estados Unidos será responsável pelas consequências dessa aventura criminosa” e que o país liderado por Trump “cometeu seu maior erro estratégico no Oriente Médio e não ficará livre das consequências desse erro”.

ANÚNCIO

O Conselho Nacional de Segurança do Irã também afirmou que vai se vingar dos Estados Unidos “na hora certa e no lugar certo”, de acordo com informações da revista Exame.

Em maio de 2018 havia tensão entre Irã e Israel, causada pela decisão de Trump de abandonar o acordo nuclear com o regime teocrático islâmico que governa o Irã. Disparos de mísseis feitos pelo país contra Israel foram interceptados pelo exército israelense, que respondeu com bombardeios de alvos iranianos na Síria.

A animosidade entre os dois países é antiga, com reiteradas ameaças da parte do Irã de “varrer Israel do mapa”, o que só seria possível com o uso de bombas nucleares.

ANÚNCIO

À época, Trump havia cumprido uma promessa de campanha ao retirar os EUA do acordo, sob o argumento de que os termos foram muito mal negociados por seu antecessor, Barack Obama, e que o acordo permitia que o Irã ficasse a apenas um passo da criação de bombas nucleares. Como medida prática, a decisão veio acompanhada de uma sanção econômica e uma promessa de ampliação das medidas aos países que ampliarem as relações com o Irã.

ANÚNCIO

Benjamin Netanyahu, elogiou a postura de Trump na ocasião, afirmando que tratava-se de uma medida “corajosa”, e acusando o Irã de mentir sobre seu programa de armas nucleares: “O acordo teria permitido ao Irã enriquecer urânio suficiente para todo um arsenal de bombas nucleares”, disse o israelense.

- Publicidade-

Últimas Notícias

Como limpar janela de alumínio sem arranhar e danificar

As esquadrias de alumínio são muito utilizadas nas janelas e também em portas de lavanderias. Além delas, pode ser...

Pela primeira vez, todos os alunos a partir da pré-escola receberão uniforme gratuito – Estrutural On Line

Por determinação do governador Ibaneis Rocha, todos os estudantes da rede pública de ensino do Distrito Federal receberão uniforme escolar completo,...

Diretora do CEF 2 da cidade Estrutural agradece a comunidade

Agradecemos a comunidade escolar do CEF 2 ESTRUTURAL pela confiança e apoio para estarmos à frente da direção da escola. Reafirmamos nosso compromisso em buscar...

Ataque de grupo terrorista mata 92 pessoas, entre elas vários cristãos

ANÚNCIOA República Federal da Somália, país localizado na África, está entre os três maiores perseguidores de cristãos do mundo, segundo a organização internacional Portas...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-