Sara Winter foi presa para não participar de atos no domingo, afirma defesa | Poder360

0
31
Sara Winter foi presa para não participar de atos no domingo, afirma defesa
Sara Winter foi presa para não participar de atos no domingo, afirma defesa

A defesa de Sara Winter quer cópia do requerimento de detenção temporária de sua cliente e da decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) que acolheu o pedido “com data anterior à prisão”. Eis a íntegra (592 KB) da nota divulgada pela defesa neste sábado (20.jun.2020).

A ativista bolsonarista foi presa na última 2ª feira (15.jun.2020) no âmbito do inquérito das fake news, que apura disseminação de ameaças e notícias falsas contra membros da Corte. Winter, que também lidera o “300 Brasil”. O  grupo simulou 1 bombardeio ao STF  com fogos de artifício no último sábado (13.jun).

Os advogados afirmam a prisão de Winter teve motivações políticas. O objetivo seria impedí-la de participar de atos a favor do governo marcados para este domingo (21.jun) na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. O governo local comunicou que o espaço estará fechado.

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

Outras 5 pessoas foram presas no mesmo dia que Sara. Segundo o Ministério Público Federal, os pedidos foram apresentados na 6ª feira (12.jun).

A procuradoria diz que há indícios de que o grupo estava captando recursos financeiros para ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional, objeto do inquérito (nº 4.828) aberto em 20 de abril.

A defesa também pediu 1 habeas corpus para a ativista. A ministra do STF Carmem Lúcia negou.

Atualmente, Sara Winter está detida do presídio feminino do Distrito Federal.

Em depoimento à PF, Sara Winter não respondeu aos questionamentos feitos sobre as ameaças nas redes sociais ao ministro Alexandre de Moraes depois de ter sido alvo de mandados de busca e apreensão. Ela já tinha afirmado ter desejo de “trocar socos” como juiz.

Sara buscou dissociar os 300 da posição antidemocrática e disse que eles são mais voltados para a “desobediência civil e ações não violentas”.

Continuar lendo