O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) criou uma força-tarefa para ouvir 10 vítimas que acusam João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, até a próxima sexta-feira (14). Diversas mulheres acusam o médium de abuso sexual durante os atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás.   

PUBLICIDADE

Ao R7, a promotora Maria Gabriela Manssur, do Gevid (Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica), na capital paulista, declarou que as vítimas começam a ser ouvidas ainda na tarde desta terça-feira (11).

“Vamos começar a ouvir as vítimas daqui de São Paulo. Serão ouvidas 10 mulheres até sexta-feira e todas as declarações prestadas serão encaminhadas para o Ministério Público de Goiás, que é o órgão competente para cuidar do assunto”, explicou.

De acordo com o Ministério Público do Estado de Goiás, 40 mulheres entraram em contato para denunciar o médium. Quatro promotores, seis delegados e duas psicólogas foram designados para atenderem o caso. O MP-GO criou um e-mail exclusivamente para receber denúncias: denuncias@mpgo.mp.br. Ao R7, o órgão informou que os promotores estão em reunião para discutir os próximos passos da força-tarefa.

A promotora Gabriela Manssur declarou ainda que, no total, mais de 200 casos já chegaram ao conhecimento do Ministério Público.

R7 também entrou em contato com a delegada e assessora de imprensa da corporação de Goiás, Marcela Orçai, para obter atualização sobre o caso, mas ainda não obteve resposta.

Fonte:r7